Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

Estudo molecular do adenocarcinoma gástrico em localizações distintas.

Coordenadora: Maria da Gloria da Costa Carvalho

Equipe:

Pós-Doutores:
uliana de Saldanha da Gama Fischer Carvalho
Paulo Costa Carvalho

Doutores:
Carlos Eduardo Souza de Carvalho
Guilherme Pinto Bravo Neto
Priscila Ferreira de Aquino

Doutorandos:
Marcelo Soares da Mota e Silva
Thaís Messias Mac-Cormick

O câncer gástrico, também conhecido como câncer do estômago, configura-se como uma das principais causas de morte relacionadas a câncer mais comum no mundo, principalmente em países em desenvolvimento, como o Brasil. Em 2016, segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), espera-se 12.920 casos novos em homens e 7.600 em mulheres, no Brasil, sendo o segundo câncer mais incidente em homens e, nas mulheres, ocupando a quarta posição. O pico de incidência ocorre em homens por volta dos 70 anos de idade e aproximadamente 65% dos pacientes diagnosticados com câncer de estômago têm mais de 50 anos.

O câncer de estômago é uma doença multifatorial. Além da predisposição genética familiar, a exposição a fatores ambientais podem aumentar o risco de ocorrência deste câncer, como: obesidade, consumo de alimentos ricos em sal, fumo e ingestão de bebidas alcoólicas, além da infecção pela bactéria Helicobacter pylori (H. pylori) e pelo vírus do Epstein-Barr (EBV). Apesar do mecanismo exato pelo qual a bactéria H. pylori contribui para o desenvolvimento do câncer gástrico não estar completamente elucidado, sabe-se que esta infecção aumenta em cinco vezes o risco deste câncer.

O EBV é outro patógeno ligado à carcinogênese gástrica. Embora uma pequena porção dos adenocarcinomas gástricos portarem o EBV, este vírus não tem sido visto como um expectador da carcinogênese, mas sim estando intimamente ligado à patogênese e à manutenção do tumor. Tanto a bactéria H. pylori, assim como o vírus EBV levam a metilação da região promotora de vários genes relacionados ao desenvolvimento do câncer.

O câncer do estômago pode ser classificado em relação à localização tumoral dentro do estômago, sendo: cárdia, fundo, antro e piloro. E quanto ao tipo histopatológico, é classificado em: intestinal e difuso. Em uma análise do padrão de incidência do câncer gástrico quanto ao tipo histológico e a localização anatômica nos Estados Unidos, Wu e cols. (2009) concluíram que estes padrões diferem entre o câncer de cárdia em comparação com aqueles nas áreas distais. Assim, foi sugerido que o câncer de cárdia, o distal e os dos diversos tipos histológicos podem ser considerados doenças distintas.

Portanto, objetivo do nosso grupo é estudar o adenocarcinoma gástrico localizado em distintas regiões do estômago, a presença do DNA-EBV, do H. pylori, o padrão da expressão de proteínas por imunohistoquímica, análise de proteínas diferencialmente abundantes por espectrometria de massas, o perfil de metilação das regiões promotoras dos genes CDH1, RB1, p16, DAPK, e TIMP-2, a fim de comparar as assinaturas moleculares de progressão tumoral.

Para contato com a equipe, e-mail: gloria@gcarvalho.org

design manuela roitman | programação e implementação corbata