Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

O mecanismo bioquímico da resistência à quimioterapia de células de leucemia mielóide crônica.

Coordenador: Franklin David Rumjanek

Equipe:
Mestrandos:
Douglas Lemos
Thaís Ribeiro Oliveira

Após algum tempo, o uso continuado de agentes quimioterápicos para o tratamento da maioria dos tipos de câncer, gera nas células tumorais a chamada resistência às drogas. Em outras palavras, as drogas param de exercer seus efeitos tóxicos. Vários fatores contribuem para essa situação, incluindo a alta expressão da glicoproteína P, uma proteína codificada pelo gene MDR1 que atua impedindo que as drogas sejam absorvidas pelas células, isto é que age expulsando-as. Há também outras enzimas que degradam as drogas. No entanto, além das ações diretas sobre as drogas, as células tumorais também exibem uma reprogramação metabólica que as tornam competentes frente ao desafio imposto pela terapia. Imagina-se que essa reprogramação deve envolver várias reações enzimáticas que ao final geram energia suficiente para sustentar os processos que culminam na resistência às drogas. Esse projeto tem por finalidade descobrir de que maneira o metabolismo das células resistentes se modifica em comparação com as células não resistentes. A abordagem envolverá principalmente o estudo da função das mitocôndrias, organelas sub-celulares que normalmente participam de processos que geram energia para as células.

Para contato com a equipe, e-mail: franklin@bioqmed.ufrj.br

design manuela roitman | programação e implementação corbata