Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

Banco de tumores aberto a consultas

Por Claudia Jurberg

01/06/2009

 

Mais de 15 mil amostras de tumores estão depositadas no banco de tumores do hospital AC. Camargo, em São Paulo. E este rico acervo está aberto a qualquer pesquisador que tenha interesse em desenvolver algum tipo de investigação. “O banco de tumores do AC Camargo existe desde 1997 e a idéia foi impulsionada pela proposta do projeto genoma do câncer”, explica Dr. Fernando Soares, chefe do setor de anatomia patológica do Hospital.

 

Os pesquisadores interessados em fazer consultas têm um percurso bem simples pela frente. Primeiro, devem entrar no site do AC Camargo e pesquisar, no sistema de entrada do banco, os tumores ali existentes. Encontrado o tipo, devem submeter, pela internet, um projeto de pesquisa. Este passará por duas comissões: a de ética e outra de pesquisa. O processo de análise, dura, segundo Fernando, em torno de três semanas. Vencidas essas etapas, o hospital enviará macromoléculas de DNA ou RNA. “Deixamos de ceder os próprios tumores, pois percebemos que, com o aumento da demanda, essa era a melhor estratégia, pois os tumores poderiam servir a quatro ou cinco diferentes projetos”, explica.

 

No momento, o banco de tumores do AC Camargo não cobra pelo serviço que é entregue rapidamente. Atualmente, possuem trabalhos em conjunto com instituições no exterior como o MD Anderson Cancer Center e outras nacionais que envolvem,  por exemplo, o Instituto de Química de São Paulo.

 

Ao completar 12 anos, o banco de tumores tem desde tumores raros aos mais comuns.

Fernando explica que o trabalho é realizado de forma prospectiva nas cirurgias sem visar um tipo específico de tumor. “Temos um pensamento mais megalomaníaco e recolhemos, sempre que possível, os tumores de todas as cirurgias.”, afirma.

 

Sempre que possível pois, às vezes, os tumores são muito pequenos e a prioridade é do exame de anatomia patológica. Um tumor com meio centímetro, retirado de um paciente, será exclusivo do setor de anatomia patológica, por exemplo. Além disso,  a autorização do paciente é sempre necessária para a inserção do tumor no banco. “O paciente deve consentir que seu tumor esteja depositado no banco. Nossos pacientes são bastante generosos e o índice de recusa é menor do que 1%”, esclarece Soares.

 

O AC Camargo é um centro de excelência no Estado de São Paulo. É um hospital filantrópico, sendo que 62% da sua clientela são oriundas do SUS e o restante de convênios.

                       

design manuela roitman | programação e implementação corbata