Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

Veja o que saiu na mídia sobre câncer - 03/01/2011

Exame de sangue poderá detectar o câncer

Publicada em 03/01/2011 às 09h16m

O GloboAgências internacionais

Um novo exame de sangue poderá ajudar a detectar células cancerosas no organismo. A novidade, criada por médicos americanos e anunciada nesta segunda-feira, começará a ser testada este ano por quatro grandes centros de pesquisas oncológicas nos Estados Unidos.

Um paciente com câncer costuma ter, além de um tumor, algumas células cancerosas circulando na corrente sanguínea. Com o teste, os médicos esperam poder capturar amostras destas células e fazer análises que facilitem o tratamento da doença. Segundo os pesquisadores, o exame seria mais eficaz para alguns tipos de câncer, principalmente os de mama, próstata, cólon e pulmão.

Inicialmente, o teste será usado para identificar que tipos de tratamentos são melhores para cada paciente, e também para determinar de forma mais rápida se a terapia usada está dando os resultados esperados.

Este teste funciona como uma biópsia líquida. Ajuda a diminuir a dor e os danos nos tecidos, e pode melhorar o monitoramento de resultados - explica o oncologista Daniel Haber, diretor do centro de câncer Mass General Hospital em Massachusetts e um dos criadores do exame.

Por enquanto, o teste não será usado como um exame preventivo.

“Os médicos estão animados, há um grande potencial neste exame”, afirma o oncologista Mark Kris, um dos coordenadores do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, em Nova York, e um dos primeiros a testar a novidade.

Leia mais em:

http://www.google.com.br/search?q=cancer&hl=pt-BR&lr=&cr=countryBR&tbs=ctr:countryBR,nws:1,cdr:1,cd_min:15/12/2010,cd_max:03/01/2011&prmd=ivnsb&ei=HuchTbvUK4OBlAfJrcDJCw&start=10&sa=N

 

Pesquisador identifica proteínas que podem diagnosticar câncer de tireoide

Descoberta deve possibilitar a criação de um exame que diferencie com precisão os nódulos benignos dos malignos, evitando intervenções desnecessárias. Análise pós-operatória indica que apenas de 5% a 10% das pessoas que extraem a glândula tinham tumor

Werther Santana - 27/12/2010

Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) identificaram um conjunto de proteínas que pode ajudar no diagnóstico do câncer de tireoide. A ideia é criar um exame capaz de diferenciar com precisão os nódulos benignos dos malignos, evitando intervenções cirúrgicas desnecessárias. Os testes clínicos começam em janeiro.
Até a década passada, quando a apalpação era a principal forma de detectar nódulos na tireoide, as anomalias eram verificadas em 7% dos adultos. À medida que o exame de ultrassom se tornou comum, nódulos pequenos passaram a ser identificados em mais de 60% dos pacientes.
O desafio hoje é identificar quais lesões são, de fato, perigosas. O método mais usado atualmente é a punção aspirativa por agulha fina (Paaf), que consiste na retirada de células da região para análise no microscópio. O problema é que em 30% dos casos o resultado desse exame é inconclusivo e os pacientes precisam ser submetidos à cirurgia para confirmação do diagnóstico.
"Apenas de 5% a 10% dos casos submetidos à cirurgia têm resultado de tumor maligno. A maioria das intervenções é desnecessária, só onera o sistema de saúde", diz a geneticista Janete Cerutti, principal autora do estudo.
Em parceria com a John Hopkins University Medical School, dos EUA, Janete descobriu que a existência ou não de determinadas proteínas no material obtido da biópsia cirúrgica estava associada à presença de tumores malignos. Em testes feitos entre 2002 e 2010, mais de mil possíveis bio-marcadores foram identificados. Os melhores candidatos foram testados em 300 amostras, que representam os diferentes grupos de tumores benignos e malignos de tireoide.
O desenvolvimento do exame passou por várias etapas. A mais recente, publicada no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, apresenta o conjunto de proteínas que, segundo os autores, poderiam determinar com 97% de precisão a presença de um tumor maligno.
Os testes clínicos para o desenvolvimento de um exame pré-cirúrgico serão feitos com amostras coletadas de pacientes do Hospital São Paulo. Além de identificar o câncer, o exame pode indicar a sua agressividade.

Leia mais em:

http://m.estadao.com.br/noticias/impresso,mobile,658546.htm

 

Cientistas descobrem gene que contribui para o desenvolvimento de câncer de cérebro

Um novo estudo descobriu que a deleção de um gene no câncer de cérebro mais comum entre adultos auxilia no desenvolvimento tumoral e na resistência à terapia. O gene é encontrado em até um em cada quatro casos de câncer de cérebro em adultos.

A eliminação ocorre em uma cópia do gene NFKBIA, normalmente encontrado no cromossomo 14 e em uma variedade de outros cânceres. Agora, os pesquisadores descobriram que ele provoca o desenvolvimento de tumores e a resistência às drogas do tratamento em indivíduos com glioblastoma, que é um câncer de cérebro comum em adultos, com baixos índices de sobrevida.

Na verdade, essa deleção do gene age da mesma forma que outra “aberração” comum no glioblastoma, que é a alteração do receptor do fator de crescimento epidérmico (RFCE). Ambos, gene e alteração do receptor, produzem o mesmo resultado, mas a alteração RFCE é mais conhecida do que a deleção do gene NFKBIA, o que significa que apenas uma anormalidade foi tratada no passado.

Leia mais em:

http://hypescience.com/cientistas-descobrem-gene-que-contribui-para-o-desenvolvimento-de-cancer-de-cerebro/

 

FDA indica que Avastin não funciona contra câncer de mama

Agência Americana de Alimentos e Medicamentos afirma que tomará medidas para revogar a autorização e mudar a bula do remédio

AFP | 16/12/2010 20:38

A Agência Americana de Alimentos e Medicamentos (FDA) disse nesta quinta-feira que o Avastin não tem eficácia no tratamento do câncer de mama, e acrescentou que tomará medidas para revogar a autorização e mudar sua bula.

Com base nas recomendações feitas este ano por um painel de especialistas, a FDA indicou que o Avastin (bevacizumab) acarreta riscos como pressão alta severa e hemorragias, além de não prolongar a vida das mulheres que sofrem de câncer de mama.

"A agência recomenda eliminar (a referência ao) câncer de mama na bula do Avastin, porque não se mostrou seguro e eficaz para esse fim", disse a FDA em um comunicado.

O painel independente de especialistas aprovou por 12 votos a 1 a recomendação de retirar da bula do Avastin a referência ao seu uso no tratamento do câncer de mama em estágio avançado.

"Após cuidadosas revisões dos dados clínicos, e baseados em quatro estudos independentes, recomendamos que se retire a referência ao uso do Avastin para o tratamento do câncer de mama", ressaltou Janet Woodcock, do Centro para a Avaliação e Investigação de Drogas da FDA.

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/fda+indica+que+avastin+nao+funciona+contra+cancer+de+mama/n1237878377561.html

 

Obesidade é responsável por 29% dos casos de câncer no útero das brasileiras

Sobrepeso também é a causa de 20% dos tumores de esôfago em homens

16/12/2010 | 11h30min

O relatório Saúde Brasil 2009, divulgado na quarta-feira pelo Ministério da Saúde, revela que 46,6% dos brasileiros estão acima do peso e que a obesidade tem forte impacto sobre uma das doenças que já se apresenta como a segunda causa de morte no país e no mundo: o câncer. Em 2010-2011, a estimativa é que no Brasil surjam quase um milhão de novos casos.

O nutricionista Fábio Gomes, do INCA, explica que a alimentação pode ser fator de proteção ou risco para o câncer. Frutas, legumes e verduras são considerados alimentos protetores. Já alimentos processados, sal e álcool aumentam o risco de desenvolver a doença.

Gomes afirma que o consumo de bebidas adoçadas, como os refrigerantes e refrescos à base de xaropes e alimentos de alta densidade energética (que contêm mais de duas calorias para cada grama de alimento), disparou nos últimos 30 anos no Brasil, atingindo mais de 400%, no caso dos biscoitos e refrigerantes.

— O consumo excessivo de alimentos como lanches tipo fast food e biscoitos, impulsionado pelo estímulo bem-sucedido da publicidade, agora tem seus resultados expressos nas estatísticas de excesso de peso e obesidade — resume Gomes.

A Pesquisa de Orçamentos Familiares (IBGE 2008-2009) confirmou o crescimento explosivo da obesidade no Brasil nas três últimas décadas. O estudo revelou que metade dos brasileiros adultos apresenta peso excessivo, assim como uma em cada três crianças de 5 a 9 anos e um em cada cinco adolescentes.

Leia mais em:

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Segundo%20Caderno&newsID=a3144315.xml

 

Romã contra o câncer de próstata

O suco da fruta foi aplicado em células de câncer de próstata cultivadas em laboratório

27/12/2010 | 09h30min

Pesquisadores da Universidade Riverside, da Califórnia, identificaram componentes no suco de romã que podem inibir os movimento de células cancerosas e a metástase do câncer de próstata. A descoberta, diz Manuela Martins-Green, uma das pesquisadoras, pode ainda ter impacto no tratamento de outros tipos de câncer.

O laboratório americano aplicou o suco de romã em células de câncer de próstata cultivadas em laboratório que já eram resistentes à testosterona — quanto mais resistente à testosterona uma célula cancerosa é, maior é a sua tendência à metástase.

Os pesquisadores então descobriram que as células tratadas com o suco de romã que não morreram com o tratamento mostraram uma maior adesão, o que significa que menos células se separavam, e também queda na movimentação dessas células.

Em seguida os pesquisadores identificaram os grupos ativos de ingrediente no suco de romã que tiveram impacto molecular na adesão das células e na migração de células cancerosas no câncer de próstata já em estado de metástase.

Leia mais em:

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?section=Segundo%20Caderno&newsID=a3151914.xml

design manuela roitman | programação e implementação corbata