Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

Veja o que saiu na mídia sobre câncer - 16/10/2010

EXAME: Inca defende prazo máximo de 60 dias para a divulgação do resultado de mamografia

Jornal Cidade, por Ednéia Silva – 17/10/2010


O Inca (Instituto Nacional de Câncer) divulgou na no dia 15/10 novas regras para combater o avanço do câncer de mama no país. Entre elas, o instituto recomenda que toda mulher com nódulo no seio e que faça mamografia tenha direito a receber o resultado do exame em até 60 dias. Atualmente, não existe prazo definido para divulgação do resultado.
O objetivo do Inca é reduzir o índice de mortalidade do câncer de mama, doença que mata 11 mil mulheres por ano no país. Segundo o Inca, isso acontece porque muitas vezes o diagnóstico sai quando a doença já está em estágio avançado, o que dificulta o tratamento. Por conta, o instituto recomenda que mulheres entre 50 e 69 anos devem fazer o exame a cada dois anos.
 
O Inca afirma que as recomendações não têm caráter de lei. Cabe a cada Estado ou município aplicar ou não as orientações. O problema é que para atender a sugestão é preciso ampliar o número de mamógrafos na rede pública nacional. Hoje, segundo o Inca, existem 3.315 aparelhos e menos da metade deles - 1.650 - está disponível para uso pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Na rede pública de saúde, o percentual é ainda menor: 25%, ou 412 mamógrafos.
Em Rio Claro, de acordo com informações da Fundação Municipal de Saúde, o agendamento de mamografia é feito através da central de vagas do Cead (Centro de Especialidades e Apoio Diagnóstico), localizado na Rua 10 com a Avenida 19.
Segundo a fundação, o agendamento é feito mediante pedido do médico
encaminhado pela unidade de saúde onde a paciente foi atendida. Portanto, para ter acesso ao exame na rede púbica, as mulheres devem passar por consulta em uma unidade de saúde. O exame é recomendado para mulheres acima de 45 anos. A Fundação de Saúde não informou qual o tempo de espera para conseguir agendar o exame ou para divulgação do resultado. 
A presidente da Rede de Combate ao Câncer "Carmem Prudente de Moraes", Renata Queiroz, disse desconhecer qualquer problema relativo à demora no agendamento de exames. Segundo ela, o serviço hoje parece ser terceirizado e tem sido feito dentro de um prazo razoável. Além disso, lembra, os mutirões de mamografia realizados pelo Estado eliminam a demanda reprimida.

http://jornalcidade.uol.com.br/rioclaro/dia-a-dia/saude/67401-EXAME:-Inca-defende-prazo-maximo-de-60-dias--para-a-divulgacao-do-resultado-de-mamografia

 

Câncer de próstata poderá ser detectado apenas com exame de urina

Pesquisadores britânicos descobriram que a urina dos homens com o câncer tem baixa concentração da proteína MSMB

Veja online - 14/10/2010

Uma proteína presente na urina pode deixar os exames para câncer de próstata mais simples e menos desconfortáveis. De acordo com uma pesquisa publicada no periódico PLoS ONE (Public Library of Science), a proteína MSMB se apresenta em uma quantidade irrisória na urina de homens diagnosticados com a doença. Assim, em vez dos constrangedores exames clínicos (toque retal), seria necessário apenas um descomplicado exame de urina para identificar o tumor.
O estudo foi conduzido pela médica Hayley Whitaker, do centro de pesquisas sobre o câncer do Cambridge Research Institute. “Foi emocionante descobrir que os homens com alterações genéticas para o câncer tinham concentrações diferentes da proteína. A melhor parte é que ela é facilmente detectável, um exame simples é o suficiente”, disse à BBC. Mas antes de começar a ser aplicado em larga escala, alguns aprimoramentos e estudos mais detalhadas ainda são necessários. Quando aprovado, o teste deverá custar, em média, 5,5 euros (cerca de 15 reais).
O câncer de próstata é o tipo mais comum entre os homens britânicos, chegando a matar aproximadamente 10.000 todos os anos. Ainda assim, não existem programas preventivos e de rotinas no país. Apenas os homens com um histórico genético da doença acabam fazendo um exame sanguíneo que identifica um antígeno do câncer. Mas ele é bastante impreciso: dos 15% que acabam tendo de se submeter a uma biópsia por resultados positivos nesse exame, apenas 3% precisam realmente de tratamento.
No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que, em 2010, 52.350 homens serão diagnosticados com o câncer de próstata, o sexto tipo mais comum no mundo. Em 2008, 11.955 morreram em decorrência da doença.

http://veja.abril.com.br/noticia/saude/exame-de-urina-podera-identificar-cancer-de-prostata

 

 

Estudo sugere ligação entre HPV e câncer na boca e na garganta

Vírus pode ser transmitido durante relação sexual ou pelo beijo

R7, por Camila Neumam - 13/10/2010 

 

Um estudo do governo americano relacionou o aumento nos casos de câncer oral no mundo, com a contaminação pelo vírus do HPV(papiloma vírus humano, na sigla em inglês), que pode ser contraído por meio de relações sexuais ou mesmo pelo beijo.

Segundo os pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doença dos Estados Unidos, que divulgou a pesquisa, a maior incidência da doença, mais comum na boca e na garganta, pode estar ligado ao sexo oral. Segundo eles, essa prática sexual tem se tornado mais comum, assim como o aumento no número de parceiros, e o início da vida sexual mais cedo, comportamentos ligados à transmissão do HPV.

De acordo com a pesquisa, o HPV tem sido documentado em vários casos de câncer de células escamosas da orofaringe. Desta forma, a descoberta amplia a gama de risco de obter este tipo de doença, antes atribuído aos fumantes e pessoas que usavam bebidas alcoólicas.

A infectologista Lily Yin Weckx , da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) faz coro a afirmativa.

“A boca é uma porta de entrada para o vírus do HPV, que é contraído principalmente quando se entra em contato com mucosas. E na boca você tem mucosa. Se nela tiver ao menos uma microfissura, como uma afta, gengivite ou algo que não possa ser visto a olho nu, já há perigo de contaminação”.

Questionada sobre a contaminação pelo beijo e pelo sexo oral, a médica afirma que há mais risco durante o sexo e que a camisinha neste caso não garante total prevenção.

“O preservativo não protege 100% contra o vírus, já que o HPV está espalhado por toda a região genital, tanto em homens, quanto em mulheres. O que resolve mesmo é não fazer sexo ou fazer o exame de papanicolau como prevenção para as mulheres. A vacina melhora muito também, apesar de não prevenir contra todos os tipos do vírus. Para o homem, infelizmente, não existe prevenção totalmente efetiva”.

Os autores da pesquisa americana, Torbjorn Ramqvist and Tina Dalianis se basearam em estudos recentes que fazem a mesma relação.

“Pesquisas mostram que o risco de desenvolver o HPV pela boca cresceu com o aumento da prática de sexo oral entre os parceiros que praticam sexo vaginal. Da mesma forma que o beijo de língua foi associado à infecção oral por HPV”.

O câncer na orofaringe causado por HPV é o segundo tipo de câncer mais comum ligado ao vírus e, segundo os pesquisadores, sua incidência está crescendo.

Eles ainda observam que os casos de câncer de boca e garganta estão aumentando no Reino Unido, Finlândia, Suécia e Estados Unidos, principalmente entre os homens jovens.

http://noticias.r7.com/saude/noticias/estudo-sugere-ligacao-entre-hpv-e-cancer-na-boca-e-na-garganta-20101013.html

 

design manuela roitman | programação e implementação corbata