Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

Veja o que saiu na mídia sobre câncer - 01/11 a 15/11

Fabricante destruiu estudos que ligam fumo a câncer, diz revista

Agencia EFE – 15/10/2009

A fabricante de cigarros Imperial Tobacco Canada destruiu, no ano de 1992, dezenas de estudos realizados por seus cientistas que provam que o tabagismo causa câncer e vicia, segundo uma pesquisa revelada dia 15/10.

O trabalho, publicado na Revista da Associação Médica Canadense, indica que os estudos, relativos ao período 1967-1984, foram destruídos para que não fossem usados nos processos contra tabaqueiras abertos nos Estados Unidos nos anos 1990.

(...) Os pesquisadores canadenses descobriram que 40 dos 60 documentos destruídos se referiam aos efeitos cancerígenos e à "atividade biológica" dos cigarros.

Um dos documentos, de 1976, indica que a BAT estudou a relação entre a fumaça de cigarro e casos de câncer de pulmão, bronquite, enfisema, doenças cardiovasculares e anormalidades reprodutivas.

Muitos documentos se referem ao "Project Janus", uma pesquisa de longo prazo realizada entre 1965 e 1978 para determinar os componentes cancerígenos da fumaça dos cigarros. O trabalho demonstrou que a fumaça provoca câncer.

Leia mais em:

http://www.google.com/hostednews/epa/article/ALeqM5gBBArHykWDrMmsnMmQ9BNsgRwV-g

 

 

Biochip detecta tipo de câncer e gravidade da doença

Redação do Site Inovação Tecnológica - 21/10/2009

Pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, desenvolveram um biochip sensível o bastante para determinar o tipo e a gravidade do câncer de um paciente, permitindo que a doença seja detectada mais cedo.

Biomarcadores do câncer

O dispositivo, construído com nanomateriais, detecta biomarcadores que indicam a presença do câncer em nível celular, ainda que essas biomoléculas estejam geralmente presentes em número muito pequeno nas amostras.

As biomoléculas são genes que indicam formas agressivas ou benignas de câncer, sendo diferentes de um tipo de câncer para outro.

"Hoje é necessário uma sala cheia de equipamentos e computadores para avaliar uma amostra clinicamente relevante de marcadores de câncer. E os resultados não ficam disponíveis na hora," conta a pesquisador Shana Kelley, coautora da pesquisa.

"Nossa equipe conseguiu medir biomoléculas usando um chip eletrônico do tamanho de um polegar e fazer a análise em meia hora. Todo o instrumental necessário para esta análise não é maior do que um telefone celular," diz ela.

Leia mais em:

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=biochip-detecta-tipo-gravidade-cancer&id=010110091021

 

 

Estudo da OMS relaciona uso do celular com câncer

EFE - 24/10/2009

O uso do telefone celular pode ter relação com vários tipos de câncer, segundo um estudo internacional supervisionado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), cujos resultados preliminares foram publicados dia 24/10 pelo jornal "The Daily Telegraph".

Com um orçamento de 20 milhões de libras (22 milhões de euros), a pesquisa - que durou uma década e será divulgada até o fim do ano - oferece provas de que as pessoas que abusam do celular se arriscam a sofrer tumores cerebrais a longo prazo.
(...) A diretora da pesquisa, a doutora Elisabeth Cardis, professora do Centro de Pesquisa em Epidemiologia Ambiental (Creal) de Barcelona, disse que, apesar da "falta de resultados definitivos, vários estudos, embora sejam limitados, sugerem um possível efeito de radiação de radiofrequência" gerada pelos celulares.

"Portanto, estou de acordo, em geral, com a ideia de restringir o uso (de celulares) a crianças, embora não iria tão longe em proibir os telefones celulares, já que podem ser uma ferramenta muito importante (...)", disse Cardis, citada pelo jornal.
A especialista também defende "meios para reduzir a exposição" aos celulares, como a utilização de dispositivos handset - que permitem usar o telefone sem as mãos - e o uso moderado do aparelho.

(...) O estudo Interphone realizou pesquisas em 13 países e entrevistou 12,8 mil pessoas - entre saudáveis e pacientes com tumores -, a fim de investigar se a exposição aos celulares está vinculada a três tipos de tumores cerebrais e um tumor da glândula salivar.
Pesquisas anteriores sobre os efeitos dos celulares na saúde foram pouco conclusivas, mas o projeto supervisionado pela OMS indica, por exemplo, que seis em oito estudos Interphone revelam um maior risco de sofrer de glioma (o tumor cerebral mais comum).
Leia mais em:

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/10/24/estudo+da+oms+relaciona+uso+do+celular+com+cancer+8927987.html

 

 

Vacinação ao nascer reduz riscos de câncer de fígado mais tarde

Extra Online – 27/10/2009

Vacinar crianças contra a hepatite B no nascimento pode reduzir significativamente os riscos de se desenvolver câncer de fígado anos mais tarde, afirma um estudo realizado em Taiwan.
A vacinação contra hepatite B no nascimento se tornou um procedimento padrão em Taiwan, em 1984. Para os 20 anos seguintes de acompanhamento, cientistas do National Taiwan University Hospital coletaram dados de aproximadamente 20 mil crianças e jovens diagnosticados com câncer de fígado em estágio inicial. Entre as crianças com idade entre 6 e 19 anos, houve apenas 64 casos no grupo vacinado, em comparação a 444 no grupo que não recebeu a vacina. 

Leia mais em:

http://extra.globo.com/saude/bemviver/posts/2009/10/27/vacinacao-ao-nascer-reduz-riscos-de-cancer-de-figado-mais-tarde-236008.asp

 

 

Estudo revela propriedades da cúrcuma contra o câncer

EFE - 28/10/2009

A curcumina, um corante natural oriundo da cúrcuma, tem capacidade de matar as células cancerígenas, segundo um estudo divulgado por pesquisadores do Centro de Pesquisa do Câncer de Cork, na Irlanda. Não é de hoje que os cientistas já conheciam as propriedades deste componente da cúrcuma - planta originária da Índia e utilizada no molho curry - para o tratamento de artrite e demência, e agora constataram seu poder como anti-cancerígeno.
Publicado na revista "British Journal of Cancer", o estudo revela que a curcumina é capaz de destruir as células do câncer de garganta, abrindo caminho para novos tratamentos. A médica Sharon McKennan e sua equipe constataram que a curcumina era muito eficaz e que em 24 horas começa o processo de destruição das células malignas.
Os investigadores descobriram que as células são capazes de se autodestruir, quando a curcumina dá sinais de destruição celular. "Sabemos há tempos que os componentes naturais têm potencial para tratar de células defeituosas que se transformaram em cancerígenas, suspeitávamos que a curcumina poderia ter um valor terapêutico", disse McKennan.

Leia mais em:

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/10/28/estudo+revela+propriedades+da+curcuma+contra+o+cancer+8961984.html

 

 

 

design manuela roitman | programação e implementação corbata