Portal do Programa de Oncobiologia

Programa interinstitucional de ensino, pesquisa e extensão em biologia do câncer

Veja o que saiu na mídia sobre câncer - 02/10 a 15/10

Brasil, EUA e outros países se unem para combater o câncer

AFP – 01/10/2009

Brasil, Estados Unidos, Argentina, México e Uruguai criaram uma aliança para desenvolver pesquisas conjuntas sobre o câncer e melhorar o tratamento da doença no continente, informaram no dia 01/10, em um comunicado.

A rede permitirá cooperação em termos de pesquisa sobre o câncer, programas de capacitação multinacionais e colaboração em tecnologia para o tratamento da doença, destacou o americano Instituto Nacional do Câncer (NCI, por sua sigla em inglês).

(...) Os países da aliança estarão unidos por meio de uma rede informática que permitirá aos investigadores a troca de dados e de conhecimentos de forma rápida. (...) "A rede ajudará a melhorar o progresso na luta contra o câncer no Brasil, ao mesmo tempo em que beneficiará nossos países irmãos da América Latina e a população hispânica ou latina dos EUA", disse o diretor do Instituto Nacional do Câncer do Brasil, Luiz Antonio Santini.

Mais informações:

http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5iGjrtox0k7cN3VpDCx8M9Yz2QQUA

 

Descoberta que pode ajudar a combater câncer leva Nobel de Medicina

Reuters/Brasil Online, por Nicholas Vinocur - 05/10/2009

Três norte-americanos conquistaram o prêmio Nobel de Medicina de 2009 pela descoberta e identificação da telomerase, enzima que renova um revestimento na extremidade do cromossomo cujo desgaste natural pode levar ao envelhecimento ou ao câncer.

Elizabeth Blackburn, nascida na Austrália, Jack Szostak, nascido na Grã-Bretanha e Carol Greider ganharam o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (1,42 milhão de dólares), afirmou o Instituto Karolinska, da Suécia.

"As descobertas deram nova dimensão ao nosso entendimento da célula, jogou luz sobre os mecanismos de doenças e estimulou o desenvolvimento de potenciais novas terapias", disse o instituto.

A enzima tornou-se grande alvo dos trabalhos de pesquisa da indústria farmacêutica, particularmente para o combate ao câncer, pois acredita-se que ela desempenha um papel no crescimento descontrolado de tumores.

"Isso tem uma ampla implicação médica para o câncer, para alguma doenças hereditárias e para o envelhecimento", disse o instituto.

Mais informações:

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2009/10/05/descoberta-que-pode-ajudar-combater-cancer-leva-nobel-de-medicina-767911749.asp

 

Nanopartículas podem ajudar a acabar com tumores

Reuters/Brasil Online, por Kate Kelland -  05/10/2009

Cientistas britânicos estão desenvolvendo formas de usar nanopartículas como minúsculos magnetos capazes de aquecer e matar as células tumorais sem danificar as células saudáveis circunvizinhas.

Os pesquisadores descobriram que nanopartículas de óxido de ferro podem ser acopladas a anticorpos que localizam o câncer, ou podem ser injetadas em células-tronco localizadoras do câncer, que os levam direto aos tumores que precisam matar.

O aquecimento das células em apenas 5 ou 6 graus acima da temperatura do corpo, com um novo equipamento chamado aparelho de hipertermia magnética por corrente alternada (MACH), é capaz de matar as células tumorais. Os pesquisadores afirmam que o equipamento MACH é como uma micro-onda, aquecendo apenas as células alvejadas.

(...) Os cientistas afirmaram ter visto a técnica usando a célula-tronco funcionar em ratos.

Mais informações:

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2009/10/05/nanoparticulas-podem-ajudar-acabar-com-tumores-767913489.asp

 

Pesquisadores decodificam 'genoma' de câncer de seio

AFP - 07/10/2009

Cientistas canadenses anunciaram na revista Nature de 07/10 ter estabelecido, pela primeira vez, o "genoma" de um tipo de tumor que responde por 10% dos casos de câncer de seio.

Utilizando uma nova técnica, mais rápida e menos onerosa, uma equipe da agência do câncer da Columbia Britânica sequenciou o genoma do tumor e identificou as mutações que permitem a propagação do câncer pelo organismo.

Os cientistas analisaram a evolução, durante nove anos, de um carcinoma metastático do seio, e identificaram 32 mutações. Em seguida, determinaram o número de anomalias presentes no tumor inicial.

"O resultado foi surpreendente: apenas cinco das 32 mutações estavam presentes em todas as células do tumor de origem, e foram identificadas como as responsáveis por deflagrar a doença", destacou a equipe canadense.

Mais informações:

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/10/07/pesquisadores+decodificam+genoma+de+cancer+de+seio+8772930.html

 

Canadenses desenvolvem técnica capaz de detectar riscos de câncer de mama

AFP – 07/10/2009

WASHINGTON, EUA — Cientistas canadenses revelaram nesta quarta-feira em uma revista americana uma técnica experimental que permite detectar de maneira mais rápida e fácil mulheres que apresentam risco elevado de desenvolver câncer de mama.

Vários anos de trabalho ainda serão necessários antes que o novo equipamento, que permite realizar exames de rotina para medir o nível de diferentes hormônios, possa ser comercializado, explicaram seus inventores, da Universidade de Toronto.

"As mulheres que sofrem de câncer de mama apresentam uma concentração nos tecidos mamários de estrogênio e seus derivados claramente superior àquelas que não têm um tumor", explicaram.

"Apesar disso, os níveis de estrogênio das mulheres em situação de risco não são medidos regularmente, já que as técnicas atuais requerem extrações significativas de tecido mamário", acrescenta a ginecologista canadense Noha Mousa, principal autora da pesquisa, divulgada no primeiro número da revista online Science Translational Medicine.

Mais informações:

http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5hefvvYKX46VbKBW-4vO_V_gXiehA

 

Estudo mapeia ligação entre celulares e tumores

Reuters/Brasil Online - 14/10/2009

Estudos que tentam descobrir se telefones celulares podem provocar câncer, principalmente tumores cerebrais, variam em qualidade e pode haver um certo preconceito naqueles que mostram algum risco, disseram pesquisadores nesta terça-feira. Até agora é difícil demonstrar qualquer ligação, embora os melhores estudos sugiram alguma associação entre o uso de celular e o câncer, descobriu a equipe liderada pelo médico Seung-Kwon Myung, do Centro Nacional de Câncer da Coreia do Sul.

Myung e colegas da Ewha Womans University e do Hospital Universitário Nacional, em Seul, além da Universidade Berkeley da Califórnia, examinaram 23 estudos publicados de mais de 37 mil pessoas, e descobriram que os resultados costumam depender de quem conduz o estudo e como os pesquisadores lidam com o preconceito e outros erros.

(...) A equipe de Myung disse que oito estudos que empregaram métodos de "alta qualidade" para evitar que os participantes sejam cegados por preconceitos descobriram um risco brando de tumores entre pessoas que usaram celulares em comparação com as que nunca usaram ou que usam raramente. Um risco crescente de tumores benignos também foi detectado entre as pessoas que usavam os telefones por uma década ou por mais tempo.

(...) Ao contrário, os estudos que usaram métodos de "baixa qualidade" para extirpar o preconceito descobriram que usuários de celulares tinham menos riscos de desenvolver tumores do que as pessoas que nunca usavam os aparelhos. Entre os financiadores destes estudos estão dois grupos industriais, o Mobile Manufactures Forum e o Global System for Mobile Communication Association.

Mais informações:

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2009/10/14/estudo-mapeia-ligacao-entre-celulares-tumores-768047388.asp

 

HPV é relacionado a câncer raro de cabeça e pescoço

Portal Terra, por Patricia Zwipp – 10/10/2009

O vírus do papiloma humano (HPV) está presente em mais de 90% dos casos de câncer de colo de útero, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). E uma pesquisa da Universidade de Michigan acaba de constatar que pode estar relacionado a um câncer raro de cabeça e pescoço, o de nasofaringe. "Esse é o primeiro relatório de câncer de nasofaringe sendo causado pela epidemia de HPV. Estamos no meio de uma epidemia de câncer de amídalas, vendo muitos pacientes com a doença ligada ao HPV. Acontece que o HPV pode ser também uma nova causa dessa forma rara de câncer que ocorre em local escondido (o tumor que cresce por trás do nariz e na parte superior da garganta, acima das amídalas)", disse a autora, Carol Bradford.
O estudo, divulgado no site da publicação Head&Neck, examinou amostras de tecidos retiradas antes do tratamento para câncer de nasofaringe e amídalas. Dos 89 participantes, cinco tinham o tipo raro. Desse pequeno grupo, quatro eram HPV positivos e negativos para o vírus Epstein-Barr, uma das principais causas infecciosas da patologia.

Mais informações:

http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI4034411-EI1497,00.html

 

Médicos descobrem mapa para câncer da próstata agressivo que não aparece nos exames

Diário da Saúde, por Jane Finlayson - 15/10/2009

Pesquisadores do Hospital Princess Margaret, do Canadá, finalmente encontraram uma reposta para a pergunta que confunde muitos clínicos - Por que alguns homens com níveis elevados específicos de antígeno da próstata (PSA), que são cuidadosamente monitorados e submetidos a repetidas biópsias negativas, ainda assim desenvolvem o câncer de próstata agressivo?

A resposta está na localização do tumor na parte superior da próstata, onde ele não é detectado por meio dos procedimentos-padrão de diagnóstico, como as biópsias feitas com agulhas guiadas por ultrassom.

A pesquisa, publicada no Jornal Internacional de Urologia, demonstrou que a imagem de ressonância magnética (MRI) é a melhor ferramenta para revelar esses tumores escondidos.

(...)Uma equipe de cientistas, cirurgiões, radiologistas e patologistas estudaram 31 pacientes que tiveram resultados positivos de biópsia e que tiveram seus tumores detectados na parte mais alta de suas próstatas revelados pela ressonância magnética.

Foi constatado que, em 87% dos casos, o procedimento utilizando a MRI foi capaz de detectar os tumores escondidos. O Dr. Lawrentschuk alerta os médicos clínicos sobre a necessidade de se informarem mais sobre o PEATS, pois estes tumores podem ser os mais agressivos.

Mais informações em:

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=medicos-descobrem-mapa-cancer-prostata-agressivo-nao-aparece-exames&id=4615

 

design manuela roitman | programação e implementação corbata